Resumo do Livro - A coragem de ser imperfeito: Como aceitar a própria vulnerabilidade.

Atualizado: há 4 dias


Como seres humanos, temos uma necessidade fundamental de conexão, amor e pertencimento. No entanto, tememos a rejeição e temos medo de não sermos bons o suficiente. Escondemos nossas vulnerabilidades, apenas para criar uma maior desconexão com nossas famílias, comunidades e trabalho. Com base em 12 anos de pesquisa, a Dra. Brene Brown explica o conceito de vulnerabilidade e como adotá-la pode mudar como vivemos, amamos, lideramos e interagimos com os outros, para trazer uma vida plena e conexões verdadeiras. Neste resumo de A Coragem de Ser Imperfeito, você terá uma visão geral das principais ideias da autora.

COMPRE O LIVRO FÍSICO POR AQUI

Confira também nosso pacote de insights do livro em formato e-book, infográfico e áudio!

Tendo trabalhado e pesquisado amplamente sobre a conexão humana, o Dr. Brené Brown descobriu que a vulnerabilidade é uma das explicações mais poderosas para os comportamentos humanos. “Ousadiar muito” é sobre abraçar a vulnerabilidade e a imperfeição, viver de todo o coração e se envolver corajosamente. Consolidamos as ideias em 4 partes e aqui está uma visão geral rápida.

A maioria de nós vive em culturas de escassez ou “nunca o suficiente”. Estamos constantemente medindo e comparando o que temos, com o que queremos, o que não temos, o que os outros têm ou até como as coisas costumavam ser. Ansiamos por conexão e pertencimento, mas temos medo de ser indignos se não vivermos de acordo com um padrão ou ideal. Muitas de nossas inseguranças mais profundas envolvem não ser inteligente o suficiente, não ser amável o suficiente, não ter sucesso o suficiente, não ser magro o suficiente, etc. Dr. Brene Brown explica os 3 componentes da escassez (vergonha, comparação e desengajamento), bem como 5 mitos sobre vulnerabilidade. Você pode obter insights poderosos sobre cada um desses elementos em nosso pacote completo, com um e-book completo de 12 páginas, infográfico com ilustrações e um resumo em áudio, de A Coragem de Ser Imperfeito (Pacote Completo de insights Aqui). Quando você olha mais de perto esses conceitos, percebe que o oposto de escassez não é abundância, mas ser “suficiente”. Quando você sentir ser bom o suficiente, independentemente do que faça (ou deixe de fazer), ousará se envolver apesar da incerteza e dos riscos emocionais. Brown chama isso de “integridade”.

A vergonha é o sentimento agonizante de que somos falhos e, portanto, indignos de amor e pertencimento. Todos sentimos vergonha, todos têm medo de falar sobre isso, e nosso silêncio só lhe dá ainda mais poder. (Em nosso pacote completo de insights do livro), explicamos a diferença entre vergonha e conceitos relacionados como culpa, humilhação e constrangimento – em poucas palavras, a vergonha é a mais prejudicial porque vemos a falha como parte de quem somos. Não podemos evitar ou remover a vergonha de nossas vidas, mas podemos nos tornar mais resistentes a ela. Estes são os 4 elementos chave da resiliência à vergonha:

Embora a vergonha afete igualmente ambos os sexos, as expectativas socioculturais criam diferentes gatilhos e respostas de vergonha para homens contra mulheres: • As mulheres esperam parecer naturalmente bonitas, magras, boas em tudo (especialmente na maternidade) e parecem conseguir tudo isso sem esforço. Elas sentem vergonha quando não são bonitas o suficiente, não conseguem realizar várias tarefas bem o suficiente etc. Quando envergonhadas, as mulheres respondem intuitivamente criticando ou rebaixando os outros, em uma tentativa inconsciente de desviar a atenção de suas inadequações. • Os homens, por outro lado, nunca devem ser fracos – eles devem controlar seus sentimentos, ganhar mais, assumir o comando e ter sucesso em suas carreiras. Quando sentem vergonha, os homens naturalmente ficam com raiva ou se fecham. • Homens e mulheres também atribuem a vergonha diferentemente ao sexo e à imagem corporal. As mulheres estão conscientes de seus corpos e interpretam o desinteresse dos homens como significando que eles não são magros, atraentes ou experientes o suficiente. Os homens, por outro lado, estão mais preocupados se seus parceiros se importam com eles e veem a rejeição como uma forma de vergonha masculina por não serem desejados ou não serem bons o suficiente.

A vergonha pode destruir um relacionamento, e as diferenças de gênero amplificam a tensão. Por exemplo, quando as mulheres se sentem invalidadas, criticam, o que desencadeia nos homens o sentimento de inadequação. Os homens ficam com raiva ou se fecham, fazendo com que as mulheres os provoquem ainda mais (“por que você não fala comigo!”). No livro, Brown compartilha muitos trechos esclarecedores de suas entrevistas com homens, mulheres, suas inseguranças e dores muitas vezes não ditas. Ela também aborda como essas expectativas de gênero moldam nossos comportamentos e como podemos cultivar a autoestima e a sinceridade usando os 4 elementos da resiliência à vergonha acima. Você pode obter alguns desses destaques importantes em nosso pacote completo de insights do livro.


COMPRE O LIVRO FÍSICO POR AQUI

Todos lutam contra a vulnerabilidade (incluindo Brown) e colocamos diferentes personas ou máscaras para nos proteger. Até as crianças usam máscaras, embora sejam mais fugazes e fáceis de detectar. O valentão da escola pode estar simplesmente mascarando sua necessidade de pertencer, enquanto a garota malvada pode estar escondendo a dor do divórcio de seus pais. Já que a vergonha é a sensação de não ser suficiente, simplesmente acreditar que somos “suficientes” nos ajuda a tirar nossas máscaras. Confira nosso pacote completo insights do livro para obter mais detalhes sobre as várias formas de Escudos de Vulnerabilidade (por exemplo, alegria de mau presságio, perfeccionismo, entorpecimento com ocupação, desapego, “serpente”) e como removê-los.

Todos experimentamos “divisões de desengajamento” quando há uma lacuna entre nossos valores aspirados (o que queremos fazer, pensar e sentir) e nossos valores praticados (o que realmente realizamos, pensamos e sentimos). Por exemplo, as crianças percebem uma lacuna quando seus pais pregam sobre honestidade e respeito, mas mentem ou criticam mutualmente. Como humanos, não podemos evitar essas lacunas; a chave é tomar consciência deles e procurar fechar as lacunas. A vergonha é uma grande barreira à criatividade, inovação e aprendizado em nossas instituições de ensino e locais de trabalho. Quando a vergonha prevalece, as pessoas não se atrevem a falar, tentar coisas novas ou perseverar diante do fracasso. O livro aborda várias maneiras de começar a reumanizar a educação e o trabalho, por exemplo, apoiando agentes de mudança, conscientizando, “normalizando” a vergonha e treinando funcionários. A boa paternidade não é ter as melhores estratégias e técnicas; trata-se de ser os melhores modelos possíveis, dadas nossas próprias imperfeições, ou seja, ser os adultos que queremos que nossos filhos sejam. Aprenda mais com nosso pacote completo de insights, sobre o conceito de paternidade Plena e o que isso implica.

Você gostaria de ter acesso a um material resumido contendo as pérolas de sabedoria deste livro? Imagina um resumo com ilustrações e passos simples para absorver e por em prática todo o conhecimento do autor. Clique na imagem abaixo.

Além de compartilhar as descobertas de sua pesquisa e entrevistas, Brown reencena muitas de suas trocas com seu público e entrevistados, bem como suas experiências pessoais e momentos vulneráveis. Isso nos ajuda a entender as vulnerabilidades, inseguranças e sentimentos muitas vezes não ditos que todos têm de uma forma ou de outra. No livro, Brown também inclui suas definições completas de muitos conceitos como amor, conexão, vergonha, bem como recursos, listas de verificação e manifestos.



COMPRE O LIVRO FÍSICO POR AQUI


0 visualização0 comentário